Dom José Francisco dedica igreja e altar em São Gonçalo


No dia 13 de outubro, quando comemoramos  o centenário da última aparição da Virgem de Fátima, a Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no bairro do Barro Vermelho, em São Gonçalo, recebeu o Arcebispo Metropolitano de Niterói, Dom José Francisco e o Arcebispo emérito, para a dedicação do Altar e da Igreja.

Quando termina a construção de uma igreja, a celebração que marca sua vida tem o nome de “dedicação”, que pode ser traduzida como consagração, sagração ou inauguração. O termo, normalmente mais usado é “dedicação”. Toda igreja é dedicada, por excelência, à Santíssima Trindade, a Nosso Senhor Jesus Cristo e seus títulos; ao Espírito Santo, à Santíssima Virgem, aos Santos Anjos e aos santos inscritos no Martirológio Romano. Na dedicação da igreja, o rito é belíssimo e muito rico de significados. Normalmente, é o bispo daquela diocese quem dedica a nova igreja, onde acontecem a aspersão da água benta, as unções do altar e das paredes do edifício, a incensação, a deposição das relíquias no altar, a iluminação e, é claro, o rito da Palavra e da Eucaristia.

Logo no início da celebração, o arcebispo recebeu três símbolos da igreja. O primeiro deles é uma pasta, contendo a planta da paróquia, as fotos, e os históricos; o segundo eram as chaves da igreja, e o terceiro, uma imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Em seguida, Dom José abençoou a água e aspergiu sobre a assembleia, como um sinal, um clamor para que o local fosse purificado, bem como todos os fiéis que participaram. Por isso, não houve o ato penitencial.

Em sua homilia, Dom José Francisco, falou sobre a importância da dedicação da igreja e do altar. Lembrou também, que a cerimônia  é riquíssima no rito e no significado.

Após a profissão de fé, o canto da Ladainha foi entoado, como prece de dedicação do altar e teve início o rito de dedicação. Primeiro, o altar foi ungido com os Santos Óleos, pelas mãos do Arcebispo. Seguiu-se a consagração da igreja, quando Dom José Francisco, ungiu todas as cruzes das estações da Via-Sacra, o que significa que o Templo é dedicado exclusivamente, e para sempre, ao culto cristão.

Em seguida, foi realizada a incensação do altar: um fogareiro foi colocado sobre o altar e nele queimou-se o incenso. Dom José, proferiu a seguinte oração: “Suba nossa oração, Senhor, qual incenso diante de vossa face. Assim como esta casa, suavemente perfumada, também a vossa Igreja faça sentir a fragrância de Cristo.” O incenso foi colocado no turíbulo e todo o altar foi incensado, como também, o Arcebispo, padres, diácono e o povo.

O altar foi então revestido com a toalha, e acenderam-se as luzes do presbitério, juntamente com as velas. A celebração seguiu com a Liturgia Eucarística.

Antes de dar a bênção solene ao final da Missa, o Arcebispo manifestou sua alegria pela presença de todos e, em especial, pelos ouvintes da Rádio Anunciadora. Encerrada a celebração, Dom José Francisco cumprimentou alguns fiéis presentes à celebração.


Por: Arquidiocese de Niterói